Quem fez minhas roupas?

Se você abrir seu armário hoje, sabe quem fez as roupas que habitam nele? Será que na maioria das etiquetas estará escrito ‘Feito na China’ ou em Bangladesh, ou na Índia ou em qualquer outro país com custo e mão de obra mais barata do que em nosso próprio país? Em um mundo de fast fashions e tendências passageiras estamos cada vez consumindo mais, sem propósito e sem pensar no próximo.

Fast-Fashion

Minha formação é design de moda, trabalhei na indústria brasileira por 10 anos, nesse tempo também criei uma marca própria e vi o quanto é difícil concorrer com produtos resultantes dessa mão de obra barata. Quando pensamos na China pensamos em produtos baratos, e sim, existem roupas com preços absurdamente baratos que carregam uma qualidade péssima, roupas que se desfazem após de serem usadas no máximo umas três vezes, assim como também tem as roupas de marcas chinesas com melhor acabamento e qualidade e que custam o mesmo valor que pagamos por uma roupa produzida no Brasil.

fashion revolution

Essa semana está acontecendo o Fashion Revolution Day no mundo todo, inclusive no Brasil! É um movimento muito importante e tem como objetivo aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto em todas as fases do processo de produção e consumo. Foi criado por um conselho global de líderes da indústria da moda que se uniram depois do desabamento do edifício Rana Plaza, uma fábrica de roupas, em Bangladesh no dia 24 de abril de 2013 que deixou 1.133 mortos e 2.500 feridos. Através da pergunta ‘Quem fez minhas roupas?’ nos questiona como consumidores a repensar sobre nossas escolhas, e também questiona a indústria, exigindo transparência sobre as condições de trabalho, como e por quem esses produtos estão sendo fabricados. É bom lembrar que já foram encontrados diversos casos de trabalho escravo e trabalhadores em péssimas condições de trabalho no Brasil também, isso não é exclusividade de outros países.

i made

E o que isso tem haver comigo? Somos nós, os consumidores, que financiamos as péssimas situações de trabalho de outras pessoas e em algumas vezes, o trabalho escravo ou infantil. Quando estamos achando um super negócio comprar uma roupa baratinha, alguém do outro lado está pagando esse preço através do seu trabalho.

Como posso ajudar? Procure comprar de marcas que nunca se envolveram em casos de trabalho escravo ou de más condições de trabalho e sempre que possível, dê preferência para produtores locais, pessoas que planejaram e produziram de forma correta e justa. São nossas escolhas que definem um futuro melhor para todos, tanto para quem compra quanto para quem produz.

Se quiser saber mais sobre essa indústria e refletir sobre o próprio consumo, assista o documentário The True Cost que está disponível na Netflix, ele mostra todo o processo produtivo desde o plantio da matéria prima até a venda das roupas.

true cost

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: